China nega acusação de manter base de espionagem em Cuba para monitorar os EUA.

China nega acusação de manter base de espionagem em Cuba para monitorar os EUA.

A China negou uma reportagem do Wall Street Journal (WSJ) alegando que havia fechado um acordo para construir uma “instalação de espionagem eletrônica” em Cuba. As alegações, citando autoridades americanas anônimas, também foram rejeitadas por Havana e até pela própria Casa Branca.

Questionado sobre o relatório do WSJ – que alegou que Pequim usaria a base de espionagem para monitorar locais militares dos EUA na Flórida – o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, disse que “não está ciente” de acordo.

“É sabido que os EUA são especialistas em perseguir sombras e se intrometer nos assuntos internos de outros países”, continuou ele, afirmando que os Estados Unidos “há muito ocupam ilegalmente a baía de Guantánamo em Cuba para atividades secretas e impuseram um bloqueio em Cuba por mais de 60 anos.”

Publicado pelo Journal na quarta-feira, a história citava autoridades americanas que estariam “familiarizadas com informações altamente classificadas” sobre o plano “segredo” . Ele disse que a China pagaria “bilhões” ao governo cubano em troca dos direitos sobre a instalação de vigilância e que um acordo havia sido alcançado em princípio.

O ministro das Relações Exteriores de Cuba, Carlos Fernandez de Cossio, em Washington, também  rejeitou o relatório como “informação totalmente mentirosa e infundada”, chamando as acusações de “fabricadas”.

A reportagem do WSJ contém “falácias promovidas com intenção maliciosa para justificar o reforço sem precedentes do bloqueio econômico, da desestabilização e da agressão contra Cuba, e para enganar a opinião pública nos Estados Unidos e no mundo”, acrescentou .

Embora as alegações supostamente tenham vindo de autoridades americanas extraoficialmente, o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, John Kirby, esses à Reuters que o relatório “não é preciso”, embora tenha se recusado a especificar quaisquer erros em particular.

O porta-voz chinês pediu às autoridades americanas que “deixem de interferir nos assuntos internos de Cuba sob o pretexto da liberdade, da democracia e dos direitos humanos” e levantem o bloqueio comercial e financeiro à ilha que remonta à Guerra Fria.

FONTE: gazetabrasil.com.br

Rolar Para Cima