A Vlastuin Truckopbouw, da Holanda, é uma empresa especializada na modificação de caminhões para várias finalidades, sendo muito conhecida pela conversão de caminhões Scania em modelos bicudos, com um capô desenvolvido pela própria empresa.

Na manhã de hoje, a empresa revelou sua última criação, mas, desta vez, para a marca Volvo. Batizado de Volvo VT5, o caminhão foi construído sobre o chassi de um FH16, recebendo um capô sobre o motor. A cabine foi recuada no chassi, cerca de 1 metro.

Na dianteira, o modelo ostenta a grade e faróis originais, mantendo também as linhas bastante curvas da nova geração dos caminhões Volvo. A Vlastuin também desenvolveu o capô mantendo as linhas gerais da cabine, como uma forma de harmonizar o design.

O novo caminhão deve ser um ShowTruck pelos 20 anos da Vlastuin Truckopbouw, e é equipado com saias laterais, escapamento vertical, cobertura total do chassi, quinta-roda personalizada, iluminação traseira modificada, e iluminação extra na dianteira, com uma barra no teto e na saia do para-choque..

Nas portas, o caminhão recebeu uma plaqueta, destacando que esse é o “Vlastuin Volvo VT5 NR.1”.

O caminhão traz um design bastante distante do que era o Volvo NH12, produzido pela Volvo até 2005, que tinha os para-lamas salientes, próximo ao de caminhões norte-americanos, mas com a cabine do FH europeu. O VT5 da Vlastuin tem a frente mais quadrada, próximo ao design utilizado nos caminhões Scania modificados pela empresa.

Volvo NH16 750 – Modelo frontal está sendo convertido em bicudo na Noruega

Há quase dois meses, a notícia da construção de um Volvo NH16 750 parou a internet. Milhares de caminhoneiros de todo o mundo ficaram extremamente entusiasmados com a produção do caminhão, que é a versão “bicuda” do Volvo FH16 750. A construção está sendo feita por Ole Gunnar Tuft e seu filho, Ole, na Noruega.

Nesta semana, a revista norueguesa Tungt.no publicou mais informações sobre o caminhão, que acaba de deixar a garagem onde está sendo modificado para o primeiro teste na estrada. A dianteira do caminhão ainda não está pronta, mas a dupla de construtores já gastou mais de R$ 110 mil no trabalho.

O caminhão foi comprado usado. A cabine foi retirada da posição original e movida quase um metro para trás, e, para cobrir o gigantesco motor de 16 litros foi construído um capô sob medida. Apesar disso, foi necessária a realocação de diversas peças, como o tanque de expansão do sistema de radiador, que ficava alto demais na frente, e impossibilitaria que o capô tivesse uma angulação, necessária para o motorista ver a estrada.

Grande parte do trabalho se dá para criar linha corretas, que combinem com o design da cabine. A ideia da construção surgiu depois de Ole Gunnar Tuft ver uma imagem com uma representação do modelo, feita em computador. O caminhão deverá ficar totalmente pronto neste mês.

De onde surgiu a ideia para o projeto

Rafael Brusque – Blog do Caminhoneiro

Por Blog do Caminhoneiro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.